BLÓT E SYMBEL AO PAI DE TODOS

Por Shin Valknut


“Eu sei que eu pendi numa árvore

balançada pelo vento

por nove noites inteiras,

ferido por uma lança,

e dedicado a Odin,

eu mesmo a mim mesmo;

naquela árvore

que não sei

de onde suas raízes vêm.


Eles não me consagraram com pão

nem com qualquer chifre;

eu contemplei lá embaixo,

eu peguei as runas,

gritando as peguei

e de lá eu cai.”

Hávámál, 138 e 139

Introdução

O Blót se resume ao sacrifício. Era muito comum entre os nórdicos realizarem um sacrifício de imolação de animais ou pessoas e, até mesmo, de objetos solicitando aos Deuses a sua ajuda ou apenas agradecendo por graças alcançadas. Entendemos o sacrifício de inúmeras formas, como uma entrega de algo que simbolize uma oferta ou agradecimento.

O Symbel é o banquete oferecido aos Deuses e compartilhado por todos onde tanto se ofertava quanto se pedia. É um Ritual de troca de presentes em que podemos banquetear com os Deuses e sentir sua presença entre nós.

O propósito do Blót à Odin é sacrificar a vela que representa nossos medos e limitações em troca de sabedoria, vitalidade e saúde diante dos males da pandemia no geral.

O Symbel será ofertado ao Deus Caolho em agradecimento por termos chegado vivos até aqui em memória e solidariedade aos que se foram.

Odin tem muitos nomes: Ganglery, o Andarilho; Sigfadhir, o Pai das Vitórias; Hangatyr, Deus dos Enforcados; Valfather ou Allfather, Pai de Todos; Svithur, o Sábio; dentre muitos outros.

A data escolhida se refere ao dia anterior ao Solstício de Outono, um período de mudança de estações em que, para o povo nórdico, era de suma importância pois as estações representavam sua subsistência e sobrevivência.

Este Ritual pode ser realizado em local aberto, embaixo de uma árvore e com uma fogueira. Lembrando que devido à pandemia não podem ocorrer aglomerações. Portanto, tenha bom senso.

O Ritual será realizado às 21:00 (horário de Brasília) no dia 24/12/2021.


Preparando o Ritual

Elementos Necessários:

1 vela branca;

1 vasilha pequena;

Runas, de preferência cunhadas (em madeira, pedra ou argila seca previamente preparada para tal): Fehu, Urus e Tiwaz;

Bebida: cerveja, hidromel, vinho e até mesmo água;

Copo ou drinking horn; ● Comida.

Elementos Opcionais:

Uma estátua ou representação de Odin; ● Incenso de sua preferência.

Música ambiente para favorecer a conexão espiritual.

Organizando o Altar

Em seu altar, disponha a vela branca ao centro.

Para quem for utilizar o incenso, coloque ao lado.

Caso vá utilizar a representação do Pai de Todos, coloque a vela à sua frente.

Coloque a vasilha logo à frente da vela e as runas dentro dela.

Disponha os alimentos e bebidas no entorno. O banquete poderá ser dividido com as pessoas com quem você vive. Se você mora só, opte por uma quantidade de comida que te sirva e evite desperdícios.

Lembre-se que neste momento há muitas pessoas passando fome.

Antes de iniciar realize um Ritual de Banimento de sua preferência.

BLÓT

Segure a vela com ambas as mãos e faça três respirações profundas colocando seus medos e frustrações para fora quando espirar. Diga:

“Oh Andarilho, leve minhas limitações

Oh Mago, me ensine sobre sua resiliência

Oh Caolho, é sabedoria que te peço

Que neste novo ciclo eu consiga ser mais forte

Que meus sacrifícios sejam por honra e verdade

Pai de Todos ouça meu clamor

Eu te ofereço este sacrifício (acenda a vela)

Que este fogo queime meus medos e derreta minhas limitações

Oh Andarilho, que eu possa ter saúde

Oh Mago, me mantém forte em vitalidade Oh Caolho, é sabedoria que te peço.”

Faça seus pedidos sinceros ao Pai de Todos.

Dentro do pote, com as runas dispostas, cante ou entoe o nome delas por 3 vezes enquanto faz a libação, que é quando você irá derramar a bebida sobre elas. Não precisa cobrir com o líquido. Apenas molhar é o suficiente, especialmente se utilizar argila.